“Não se julgue, dentro da vida, como alguém que nunca prestará contas dos atos mais íntimos.
Tudo o que praticamos, Dirceu, permanece gravado no livro da consciência. O bem é a sementeira da luz, portadora de colheitas sublimes de alegria e paz, enquanto que o mal nos enegrece o espírito, como tinta escura que mancha os alvos cadernos escolares."

Mensagem do pequeno morto — Carlos por Neio Lúcio

sábado, 25 de abril de 2015

Esquecimento de vidas passadas:


Onde estaria o mérito, se o Criador não nos felicitasse com esse olvido temporário? Quem poderia aguardar o êxito desejável, defrontando velhos inimigos, sem o bálsamo dessa bênção celestial sobre a chaga da lembrança? Sem a paz do esquecimento transitório, talvez a Terra deixasse de ser escola abençoada para ser ninho abominável de ódios perpétuos.
Poderias, acaso, beijar um filho, sentindo nele a presença de um inimigo figadal? Conseguirias, de pronto, a força precisa para santificar, pelos elos conjugais, a mulher que manchaste noutros tempos, induzindo-a ao
meretrício e às aventuras infames? Não percebes, no olvido terreno uma das mais poderosas manifestações da bondade divina para com as criaturas criminosas e transviadas?

Fonte: Livro Renuncia

Nenhum comentário:

Postar um comentário